quinta-feira, 26 de novembro de 2009

que pena...



que pena a lamina da descrença não matar dum só golpe a prece batida pelo vento infrene da inveja...

que pena...

decerto não seríamos submissos ao sonho que amplia a duvida...

decerto faríamos da vontade o vulcão da nossa força...

decerto calaríamos o estribilho cobarde que algema a ideia...

18 comentários:

Dora Regina disse...

[...]decerto faríamos da vontade o vulcão da nossa força[...]
Quem dera usássemos a força do vulcão em nossa vida...
Um grande abraço e um ótimo dia!

Sandra Botelho disse...

Adorei...
Um texto um tanto lugubre, porem interesante e doce.
Bjos no coração!

Alda disse...

Que pena... muito interessante!

Bjs

Martinho da Silva disse...

A força e a dinâmica das palavras dum excelente poeta.Muito bom o que acabo de ler.Parabéns.Abraço

Mariazita disse...

Estou de passagem apenas para desejar um bom fim de semana.

Vou "viajar" no fim de semana, mas deixo programado um capítulo da Anita .
Assim continuarei na companhia de todos :)))

Quando regressar virei comentar.
Fica bem.

Beijinhos
Mariazita

Sonia Schmorantz disse...

Soubéssemos a força que temos, talvez a usássemos melhor a nosso favor!
Um abraço, ótimo final de semana

Paula disse...

Há sempre algo nas sua belas palavras que me deixa pensativa, com que me identifico, para além do imenso prazer que é chegar aqui e ler...
Um grande beijo e um excelente fim-de-semana

Fragmentos de Elliana Alves disse...

lindo blog,bjssssssssss e bom final de semana!!!

Graça Pires disse...

Decerto faríamos da vida um espaço solidário...
Beijos.

La Lola disse...

¡Que pena!...pero que bien escribes.
Un abrazo

M. Nilza disse...

Desculpe a demora em responder, muito feliz com sua visita.
Quanto às suas palavras são fortes e muito bem colocadas sobre um sentimento bem pouco nobre!
Parabéns

Beijos

© Piedade Araújo Sol disse...

João

muito forte.

muito bom!

boa semana!

beij

claudete disse...

A única crença que tenho, é que não existe "inveja" saudável...está sempre embutida de desejos reprimidos que impedem o crescimento do ser complacente e solídário com o sucesso do outro. Abraços.

Ailime disse...

A inveja um mal que grassa no mundo cada vez mais, que arruína quem dela sofre e os outros em seu redor, "Que Pena" não ser erradicada de vez.
Um bj.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

" O vento infrene da inveja". Infelizmente, é esse vento que sopra na sociedade portuguesa. Cad vez mais forte e ameaçador.

Mariazita disse...

É mesmo uma pena!
Poderíamos ser bem mais felizes...

Bom fim de semana.

Bjs
Mariazita
LÍRIOS

Marta Vasil disse...

Uma força de vulcão nestas suas palavras.

Boa semana

Ana Martins disse...

E como tudo seria diferente poeta!
A força do seu poema só por si consegue transportar-nos e imaginar um mundo bem melhor.

Beijinhos,
Ana Martins