quinta-feira, 20 de novembro de 2008

uivam os medos



uivam os medos no insonoro medo que teatraliza o receio…

dante sorri por detrás das máscaras…

flácido, velho, o infinito aproxima-se na delinquência da distância…

quantos bálsamos de apelo curam a dor,
a ausência que glorifica os espaços…

é neles que as trevas alimentam o desespero,
os vazios indefinidos da forma,
os traços longuílíneos que distorcem a sombra…

uivam os medos no insonoro medo,
cai o pano na comédia divina do espanto…

42 comentários:

Sol da meia noite disse...

São tantos os medos que uivam...
Que mesmo não se fazendo ouvir, deixam o contorno de seu eco...

La Lola disse...

Me emociona ver como eres cápaz de expresar tanto con tan poco, me gusta mucho lo que transmites....
Un beso grande amigo

Paula Raposo disse...

Concordo. Uivam os medos. Beijos.

marta pinho disse...

Um poeta maior, um poeta com uma dialéctica diferente. Vir aqui é ler sempre algo de diferente e de bom. Abraço de admiração.

Paula disse...

Olá boa tarde,
Como sempre gostei...
Beijocas,
Paula

Mar disse...

Hacía tiempo que no pasaba a visitarte. Tus palabras me llegan aunque no hablemos el mismo idioma.
En realidad no importa el idioma cuando la palabra es bella.

Un beso

mundo azul disse...

...os medos!
Os medos que se realizam e nos deixam tristes...

É um lindo poema, João!


Felicidades!

Caçadora de Emoções disse...

Poeta,
São tantos os medos e tão diversos...
Gosto demasiado desta sua simplicidade, consegue dizer tanto com tão pouco... A imagem também foi bem escolhida. Mais uma vez, o azul é a cor do plano de fundo.
Fique bem João.

Muitas emoções e sorrisos para si :))

Estrella Altair disse...

Escutar os medos, se , mas pôr-lhes em a seu lugar tambem, quero dizer, que o medo é bom em a sua justa medida, mas sempre com a valentia de saber o controlar.

Gostei da poesia, é raro encontrar poesias que não sejam de amor e esta é gira.

Um beijo e até cedo

Cláudia Pinho disse...

que versos tao enigmaticos.
cumprimentos

Fatima disse...

Não sei se o medo uiva. Não gosto de ter medo

Artista Maldito disse...

Olá Caro João

É sempre difícil traduzir em palavras o sentimento do medo, mas no "insonoro medo" o uivo ganha forma, substancializa-se, irmana medos irracionais com medos bem concretos.

Um abraço de amizade,
Isabel

Tony Madureira disse...

OLá,

Simplesmente lindo!!


Abraço

Graça Pires disse...

Uivam os medos às vezes tão silenciosamente... Um excelente poema. Um abraço.

Adrielly Soares disse...

"os vazios indefinidos da forma"

gostei muito,
voltarei aqui mais vezes.
um beijo.

mdsol disse...

senhor poeta, repito: senhor poeta!
:))

Quase Trinta disse...

Medos.... Nem com máscaras, nem com gritos conseguimos vence-los

elvira carvalho disse...

Se uivam!...........
Deixo uma abraço e votos de uma boa semana

Jofre Alves disse...

Andam por aí uns lobos a uivar e espalhar ventos de receios, é certo, mas nada tem com este lindíssimo poema, tão cheio de intensidade poética! Boa semana com tudo de bom.

Cláudia Balsabino disse...

Oi João, obrigada pelas suas doces palavras em meu blog, hoje não estou em um dia muito bom e sou muito transparente com relação aos meus sentimentos. Peço desculpas!Adorei o seu blog e gostaria de lhe pedir permissão para colocá-lo entre os meus blogs favoritos.
Um grande abraço!!
Cláudia

Justine disse...

São tempos de muitos medos,sim, mas ditos desse modo poético e belo até ganhamos força para os enfrentar...

Juani lopes disse...

los miedos eternos compañeros de nuestras vidas
saluditos

maria claudete disse...

Amigo seu poema me fez temer menos o medo , parece incrível? mas é a pura verdade .Abraços fraternos.

Um Momento disse...

Bem...entrei pela noite na imensidão da escuridão... ouvi os uivos mas os medos esses... fechei-os no meu coração...
Belo poema... adorei

(*)

Luísa disse...

Belo poema o sentido por aqui...
Obrigada pela visita ao olharde perto e pelo simpático comentário.
Voltarei para ver com outro olhar...com mais tempo!

Pico minha ilha disse...

São tantos os medos e nem sempre dizem nada.Abraço dos Açores

Landinho disse...

Agradecido por visitar meu blog ainda mais de uma pessoa ilustre de além dos mares. Portugual é um país que me fascina e espero ainda realizar o sonho de conhecê-lo. Coloquei um link em meu blog para sempre que possível visitá-lo. Um abraço

Sueli disse...

Cheguei aqui através do blog da Claudia e me encantei com sua veia poética. "... é neles (nos espaços) que as trevas alimentam o desespero" ... Muito profundo e verdadeiro. voltarei sempre. Fica o convite para uma visita ao meu humilde espaço. Um abraço!

Humana disse...

...e como uivam os medos...
São sempre belas as tuas palavras, João!
Um beijo com carinho.

Ricardo Fonseca disse...

Um belissímo poema. Um poema que nos perspectiva Dante e a sua "Divina comédia". Parabéns.

Deusa Odoyá disse...

Olá meu estimado amigo!
Que lindo poema.
Muito inspirador, profundo e verdadeiro...
Parabéns , amigo.
Uma semana abençoada para tí.
Mil estrelinhas em seus caminhos.
Sua amiga do lado de cá.
Regina Coeli

Marisa Costa disse...

Poesia com corpo e alma, poesia que faz deste blog um dos meus preferidos.
Volto sempre com prazer e curiosidade.
Beijinho

dona tela disse...

Venha conhecer os meus tios.

Muito obrigada pela atenção.

São disse...

Que pena ainda existirem medos a uivar!
Tudo de bom.

Caperucita disse...

Paso a saludarte y a ver tu estupendo espacio.
Si no te importa volveré.
Besos.

Alda disse...

Os medos!...
Eu tento afastar os meus...

Beijinho

Baby disse...

Uivam os medos que nos roem o medo...

Juan Escribano Valero disse...

Hola Joao: Agradezco mucho tu visita y lamento no saber portugués para poder leer tus escritos. El proximo domingo viene mi yarno a comer que sabe portugués también con el español pues su padre es portugúes y vive en Cascaes, a si que él me leera algo de lo que escribes que seguro será bueno. Yo visito con cierta frecuencia Portugal y me gusta mucho mis hijos tienen piso en Estoril.
Un cordial saludo

Manuela disse...

Amigo venho convidá-lo a participar na minha inauguração do meu blog sobre o Natal, apareça e leve um presente pode levar o que mais gostar.
Beijinhos
Manuela

Elizabeth F. de Oliveira disse...

O medo é o maior de nossos inimigos e quando ele uiva dentro da nossa alma, estremece-nos a essência.
Adorei o poema!
Grande abraço

Cristiana Fonseca disse...

Fantásticas palavras.
Obrigada pela visita
Abraços,
Cris

Rafael Castellar das Neves disse...

Dante deve ter se retorcido...parábens pelo belíssimo texto!

Abraço,

Rafael