quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

nos olhos de quem não vê...



nos olhos de quem não vê
navegam solidões,
sombrios deuses,
medos sem porquê…

na sombra da cor,
no recorte do penedo,
a fantasia da forma,
o espanto quieto,
o tacto do gesto,
o luar invisível…

nos olhos de quem não vê
alísio silêncio,
surdez do nada…

50 comentários:

Maria Gracinda Pereira disse...

Nem sei que dizer...A facilidade com que cria imagens para os diferentes poemas,é, verdadeiramente,um espanto de capacidade e inteligência.Felicito-o pelo facto.Sentido abraço.

Paula disse...

Às vezes nem sei o que dizer... Qualquer que seja a incapacidade é como viver na escuridão, eu pessoalmente sou mt sensível a essas questões...
Gostei!!!
Beijo,
Paula

La Lola disse...

¡que triste!, pero preciosa.
No te preocupes por tu mal español, entiendo bien lo que dices y los sentimientos que transmites.
Un beso

Paula Raposo disse...

Qualquer sentido que nos falte é triste. Mas quem os tem e os não sabe usar é igualmente triste...beijos.

Vanessa disse...

Mas somente os olhos daqueles que não vêm, conseguem veroq eu ninguém mais consegue ver...
...a alma!

Beijos, e desculpe a ausência!

Alda disse...

Triste, mas lindo e com muita sensibilidade!
Beijinho

Paula disse...

Obrigada pela explicação:)
Por acaso quando fui viver para a vila de Aveiras procurei saber um pouco da história da zona, e nessa mesma altura o edificio agora recuperado estava em muito maus estado. De facto, tendo vivido tantos anos em Lisboa nunca soube nada acerca do sr Grandella. Há pouco tempo vi, se não estou em erro, na Foz do Arelho, uma escola também com o nome dele. Segundo ouvi dizer(não sei se é verdade) era onde ele passava férias com o pai, até porque parece que nasceu na terrinha onde vivo.
É sempre bom partilhar conhecimentos, e eu gosto bastante de saber...
Beijo,
Paula

Marta Vasil disse...

João

Um poema deitado na profundeza das palavras, palavras que alguém pode não ver, mas que certamente sentirá.

Bj

MV

Fa menor disse...

Poema de luz na escuridão...
Lindo!
Bjs

Caperucita disse...

Hay quien no está ciego y no ve nada.
Muy triste tiene que ser vivir en tinieblas.
Un beso.

Humana disse...

Lindissimo poema, João!
Não me consigo imaginar sem ver apesar de saber que os cegos sentem o mundo de outra forma.
Só um homem com a sua sensibilidade e dom o descreveria desta forma.
Beijos com muito carinho.

Êidina Queiroz disse...

Amigo Joao, "meus olhos andam perdidos..." nunca mais vi seus comentario no blog Falando Sobre Lupus. Estou querendo Florbela Espanca e aqui nao acho, que pena. Beijinho.

Sonia Schmorantz disse...

Nos olhos de quem não vê navegam solidões...acho que é por aí mesmo, há tantas pessoas que olham sem ver, sem sentir e por isso navegam em um nada...
Lindo poema
abraços

bichita disse...

Un bello poema acompañado de una acertada ilustración.....un placer leerte Joäo.
Me quedo cerquita con el traductor preparado.....besos desde la distancia.

Xana disse...

Saltitando a gente se encontra, gostei muito do que escreveu,a escuridão é algo que atormenta qq um.
Pena tenho daqueles que podem ver, ouvir e falar e que teimam em ser cegos surdos e mudos.
bom fim de semana e volte sempre ao meu canto, eu farei o mesmo :)

Graça Pires disse...

Poema muito sensível. Como se fosse claridade nos olhos de quem não vê.
Um abraço.

Dulce disse...

Sem mais palavras, João... apenas que é muito lindo...

Baby disse...

"Nos olhos de quem não vê
navegam solidões,"

E o mundo caminha incógnito,
por entre as multidões...


Bom fim de semana.

Shakti disse...

Sentimentos...

bj

Justine disse...

De uma enorme sensibilidade,e ste teu poema. Vendo para além do visível...

Carla P.S. disse...

Mas volta a ver, ainda que alma. Pra tudo há esperança, a Terra é foco de depuração. Aceite um café, reflexivo.

mdsol disse...

Que sensibilidara altruista traduzida em palavras cheias de empatia!
:))

xistosa - (josé torres) disse...

Mas há o tacto, a sensibilidade, que os faz ver com mais pormenor e a três dimensões.
A forma, o contorno e o calor.
Talvez a sociabilidade que nem a sombra, o silêncio e a indiferença, permitem que se trespassem corpos e objectos.
Nos olhos de quem não vê ... vê-se, o fanatismo ou a obcecação, mas mais importante, vislumbra-se a extrema afeição ... a qualquer coisa ... à vida!

Angela Ladeiro disse...

Já tudo está dito! Claro que gostei muito. Da música também...

Angela Ladeiro disse...

Esquecia de dizer...tenho um selo feito por mim e gostava de lho oferecer. É o prémio Blog Criativo. Um beijo

mariam disse...

João,

muito bonito! (como sempre)

bom fim-de-semana
um sorriso :)
mariam

dona tela disse...

Andamos para aqui a fazer catarses, é o que é.

mariab disse...

um poema de extrema beleza e sensibilidade.
beijos

susana disse...

e quão vazios andam os olhos de quem vê e se esquece desse dom.
su

Belisa disse...

Olá:)
"Nos olhos de quem não vê..."
Gostei de ler e
ainda bem que seus olhos viram as minhas fotos...
Gostei de ler

beijos estrelados

Deusa Odoyá disse...

Olá, meu querido amigo!
Um poema lindo, mas a realidade é muito triste.
Uma semana abençoada por Deus.
Fique na paz.

Sua amiga.
ReginaCoeli.

Sonia Schmorantz disse...

A palavra mágica
dorme na sombra
de um livro raro.
Como desencantá-la?
É a senha da vida
a senha do mundo.
Vou procurá-la.
Vou procurá-la a vida inteira
no mundo todo.
Se tarda o encontro, se não a encontro,
não desanimo,
procuro sempre.
Procuro sempre, e minha procura
ficará sendo
minha palavra.

Carlos Drummond

Lindo domingo!
abraços

bonecadetrapos disse...

Gostei do que aqui li.
Convido-o a conhecer o blog da
*__bonecadetrapos__*

Bom domingo.

São disse...

Muito bonito, mas muito triste...
Boa semana.

Marta disse...

Um poema muito sentido...Mas há verdade e há sonhos...
Obrigada pela visita...
Beijos e abraços
Marta

Dulce disse...

João
Há um convite para você no "Em prosa e verso", um pequeno "desfio" ao poeta, na postagem de hoje "Um instigante desafio"
Um abraço
Dulce Costa

Martinho da Silva disse...

Originalidade e talento.Ler o que por aqui se edita é um fascínio constante. Do melhor que se edita e dá a conhecer na blogosfera.Um abraço com votos de rápidas melhoras.

Caçadora de Emoções disse...

João,
Passei para lhe deixar beijos e abraços com amizade.
Continue a emocionar-se e a emocionar-nos...

Mil sorrisos :)))

Javier Solera disse...

Bonitas palavras e muito bom blog. Disculpe você meu mau domínio de sua bela língua. ¿Que significados não entenderei em seus poemas? Um cordial saúdo desde Espanha.

Mar disse...

Hermoso, sencillo, fascinante. Gracias por tanta belleza.

Un abrazo.

ANA DINIZ disse...

Querido poeta!

Cá estou eu.

Amigo, como já comecei a tecer algo sobre o seu sublime poema em e-mail, além de profundo, ele retrata algo fascinante sobre as 'janelas da nossa alma', os olhos.

Quem não vê não consegue dizer através dos olhos, mas através da fala, do tato e do Braille. Vc já reparou como um cego nos toca mais, como parece ser mais afetuoso que os demais? Sempre um sentido se acresce em detrimento da restrição de um outro sentido. Nada é descompesador nesta vida, basta sabermos aproveitar a oportunidade, seja ela como for.

Beijos carinhosos, meu queridíssimo João!

Ana

fgiucich disse...

Me encantó su poema, amigo poeta. Abrazos.

Marta Vasil disse...

João
Deixei, com muito carinho, na "lapela" do meu blogue um selo para si.

Beijinho

MV

Emanuel Azevedo disse...

Amigo João como tens passado? Espero que bem. :) Mais um lindo trabalho.
Os meus parabéns! Um forte abraço dos Açores.

maria claudete disse...

É exatamente este o previlégio dos que não veem: vislumbrar tudo no silêncio.

xanata disse...

gostei do titulo...
:) olhos de quem nao ve :)

•*♣*Angélica*♣*• disse...

El verdadero amor, les es revelado a los que ven con los ojos del alma; a los que oyen con los oídos del espíritu; a los que escuchan melodías fascinantes y a los que viven con la sensibilidad y sencillez de los niños. ¡Felíz Día de San Valentín!
Pasa por las rutas que tienes unos regalitos allí.
Besos y bendiciones infinitas.
Te dejo un abrazo enorme.

Dennys Reys disse...

existe muitas formas de ver o mundo...
o cegos tem a sua maneira, asssim como cada um de nós..

Estrella Altair disse...

Desde minha capacidade para ver é terrível ficar cego e ter que renunciar por exemplo às postas de sol... aos atardeceres. ... mas quiçá o cego, o que tem olhos que não vê.. possa encontrar um mundo interno de sensibilidades que desconhecemos.. isso espero..

Desejo-te o melhor, um beijinho

Mariazita disse...

Porque vou ausentar-me a partir de hoje à noite e até meados da próxima semana, não poderei, neste período, fazer, como tanto gosto, as habituais visitas e comentários.
No entanto deixarei programado (assim espero!) um post para ser publicado na quinta-feira (Anita) e outro para domingo, que, se quiseres, podes ir ver.
Hoje ainda, tenciono publicar no Lírios.
Até ao meu regresso.
Bom Carnaval.
Beijinhos
Mariazita